##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Felipe de Sousa LOURENÇO Germán Augusto Murrieta MOREY http://orcid.org/0000-0001-6244-2654
Jeffson Nobre PEREIRA http://orcid.org/0000-0002-6374-8978
José Celso de Oliveira MALTA http://orcid.org/0000-0003-1496-2190

Resumen

O acantocéfalo Neoechinorhynchus (Neoechinorhynchus) buttnerae Golvan, 1956 é altamente específico para Colossoma macropomum (Cuvier, 1818) e tem sido registrado em diferentes pisciculturas no Brasil. Os danos que pode causar variam desde deficiencias nutricionais, alterações morfológicas, lesões no intestino, até a morte dos peixes. Assim, o presente estudo teve como objetivo registrar a presença deste parasita e avaliar seus índices parasitários. Doze C. macropomum provenientes de um viveiro escavado no município Rio Preto da Eva, no Amazonas, Brasil foram analisados. Dos peixes analisados foram identificados e coletados 4170 indivíduos de N.(N.) buttnerae parasitando o intestino dos peixes com uma prevalência de 100%, intensidade de infecção entre 107 – 921 e, uma intensidade e abundância média de 347,5 ± 239,16. Existiu uma correlaçao positiva entre o tamanho dos peixes e o número de parasitas presente no intestino dos C. macropomum. Os altos índices parasitários registrados servem como sinal de alerta para os piscicultores, considerando os danos que este parasita pode causar no cultivo de C. macropomum. Medidas profilácticas e sanitárias devem ser levadas em consideração ao cultivar esta espécie de peixe em pisciculturas da Amazônia brasileira.


##plugins.themes.bootstrap3.article.details##